quinta-feira, março 22, 2007

Um criacionista na Faculdade de Ciências


Ontem, no aparentemente infame Colóquio realizado na FCUL, Jónatas Machado deu, perante uma assistência maioritariamente constituída por cientistas, o seu show criacionista.

O programa do espectáculo consistia em primeiro rejeitar as regras da Ciência para depois demonstrar que esta, quando aplicada ao estudo da Vida, chegava a uma conclusão falaciosa porque da interpretação naturalista da Vida só pode resultar a teoria da Evolução. Isto constitui na visão deste senhor um argumento circular e um óbvia falácia e um caso exemplar de, nas palavras do próprio, trash in – trash out.

Pena que Jónatas Machado não tenha aplicado este raciocínio à interpretação Criacionista do mundo, essa sim, o argumento circular perfeito e um dos exemplos mais utilizados para descrever a falácia do argumento circular. É caso para dizer que se trata simplesmente de God in – God out.

Contudo, é curioso que o Criacionismo, apesar de rejeitar as regras da Ciência, procure tão persistentemente disfarçar-se de teoria cientifica, como que sugerindo que estas são necessárias para legitimar e validar as crenças religiosas, como uma interveniente sugeriu durante o debate final do colóquio.

Depois seguiu-se uma catadupa de questões a que a Ciência ainda não respondeu ou para a qual não existe ainda uma resposta consensual. Enfim, nada mais que os eternos pontos de interrogação que os criacionistas tanto gostam de transformar em divindade.

È claro que isto veio misturado com uma série de outras questões cuja resposta é conhecida e aceite, embora ainda se discutam alguns pormenores. Como a origem dos oceanos, que dá muito jeito rotular como desconhecida, principalmente se se estiver a pensar em arranjar uma maneira ligeiramente menos estapafúrdia de se meter um dilúvio e uma arca ao barulho para explicar a história do planeta e da vida nele contida.

Nos últimos minutos da sua intervenção, Jónatas Machado declarou que a evolução era cruel e ineficiente quando comparada com a criação perfeita um Deus omnisciente, omnipresente e benevolente (excepto naquele dia em Sodoma e Gomorra, mas dias maus temos todos…). Aparentemente os criacionistas vivem num mundo de eterna Primavera em que os passarinhos cantam, as abelhas polinizam lindas flores e os casais de animaizinhos aguardam em paz o nascimento das suas crias, alheios à existência de presas e predadores, de competição inter e intra populações, do canibalismo e de toda uma gama de catástrofes naturais que ocorrem quase diariamente por este mundo fora.

Posto isto, o orador saiu cedo evitando grandes confrontos com as suas afirmações (fora aquelas proferidas nas palestras que antecederam a sua) e remetendo para sites de supostos cientistas criacionistas. Não se pode dizer que se tenha perdido grande coisa…

9 comentários:

Anónimo disse...

Pelos vistos os criacionistas têm mesmo razão. O modo como intepretamos os factos depende realmente da visão que temos do mundo. Os evolucionistas interpretam os fósseis e as rochas à luz de premissas naturalistas e uniformitaristas. Os criacionistas interpretam os mesmos factos à luz da Bíblia. Ambas as interpratações podem ser colocadas em paralelo e comparadas. A Bíblia não nega a existência da crueldade, da morte e do sofrimento. Ela limita-se a afirmar que o pecado humano corrompeu toda a natureza, problema que só o Criador tem capacidade para resolver. A morte e o sofrimento são consequências do pecado, posteriores à Criação. Elas não são inerentes à natureza criada nem ao próprio processo de evolução.

Rui M disse...

Ou não.
O grande problema da visão criacionista é excluir selectivamente os dados que não suportam a sua crença.
Assim tudo o de mais estapafurdio pode ser provado. A Terra é plana, a SIDA é curada com chás, a homeopatia cura o cancro, as torres do world trade center foram demolidas pelo gorverno americano, etc etc etc.

Jónatas Machado disse...

Os argumentos do Rui M sobre o criacionismo são surrealisticamente absurdos. Os mesmos parecem indicar que o Rui não percebe realmente o que está em causa nesta discussão. Por minha parte, tenho todo o gosto em dar conta de uma síntese que fiz dos argumentos que, no pouco tempo que me foi dado, procurei sustentar na Faculdade de Ciências.

Um artigo meu mais desenvolvido pode ir buscar-se (entre outros locais) em www.ibc.pt.

Por outro lado, vale a pena ler a enciclopedia criacionista on line www.creationwiki.org e o site de geologia www.biblicalgeology.com (net)

Mas aqui vão, sem mais, as ideias que procurei sustentar na FCUL, com alguns acrescentos:

O PARADIGMA NATURALISTA

Homens como Lyell, Comte, Darwin, Huxley, Haeckel, Mayr, Sagan, Lewontin, Gould, Eldredge, Dawkins, Dennet, Pinker, Hawking, etc., têm sustentado que toda a ciência tem necessariamente que ser naturalista, isto é, tem que excluir liminarmente qualquer possibilidade de causas sobrenaturais. Estes e outros cientistas decretaram que no Universo não há qualquer lugar para Deus e para a análise dos efeitos da sua acção. Para eles, o facto de essa ser a sua profunda convicção filosófica e ideológica é razão mais do que suficiente para que todos aceitem doravante essa determinação e construam a ciência de acordo com ela. A verdadeira ciência, dizem, só pode ser naturalista. A mesma só pode investigar as relações de causa efeito entre matéria e energia, no tempo e no espaço.
Quem pretender afirmar algo diferente não pode ser cientista. Quem ousar defender que existem efeitos naturais inexplicáveis unicamente por causas físicas naturais está irremediavelmente condenado a permanecer fora da ciência.

Note-se, porém, que este tipo de naturalismo não é totalmente neutro, do ponto de vista ideológico. O mesmo toma um partido bem definido relativamente à questão da “natureza da natureza”, na medida em que tem subjacente uma compreensão estritamente física e materialista da natureza, excluindo a possibilidade de a natureza conter uma dimensão imaterial (v.g. informação, estrutura matemática ou computacional), para além da matéria e da energia. É que, por si só, a existência de informação ou de uma estrutura matemática remete imediatamente para a possibilidade de uma causalidade inteligente.

Sucede que este entendimento, longe de promover a objectividade e o pensamento crítico na ciência, como pretendem os naturalistas, é a “mãe de todas as tautologias”. Se não, vejamos.

DO NATURALISMO À EVOLUÇÃO ALEATÓRIA

Se a possibilidade de uma criação sobrenatural é excluída à partida, então a única possibilidade admissível é a evolução cósmica e biológica aleatória. Só pode. Não é? Isto, porque só o apelo a uma evolução cósmica e biológica aleatória permite rejeitar e manter afastada a possibilidade de um Criador racional e intencional, cumprindo assim as exigências do naturalismo. Isto significa que, de acordo com uma definição naturalista de ciência, a teoria da evolução tem que ser necessariamente verdadeira, mesmo antes de se começar com qualquer investigação no terreno.
Como se vê, a convicção acerca da verdade da teoria da evolução é uma consequência inescapável da filosofia naturalista que lhe serve de base, independentemente de qualquer investigação científica. Esta só serve para confirmar as premissas naturalistas e a teoria da evolução, na medida em que tem necessariamente que se conformar com elas. Ou seja, não é a investigação científica que demonstra a veracidade da teoria da evolução. Antes é a veracidade da evolução, decorrente do paradigma naturalista adoptado à partida, que vai condicionar toda a investigação científica, determinando quais os factos que devem ser dados como verdadeiros e quais os que devem ser considerados falsos. Vemos, assim, que, para quem parta de um modelo naturalista, que afasta a priori a possibilidade de design inteligente na natureza, a evolução cósmica e biológica aleatória é verdade mesmo antes de ser empiricamente testada.

DA EVOLUÇÃO ALEATÓRIA À ANTIGUIDADE DA TERRA

Mas as coisas não se ficam por aqui. É que, se a evolução aleatória é a única possibilidade compatível com a ciência definida em termos estritamente naturalistas, segue-se automaticamente que a antiguidade da Terra é a única conclusão igualmente possível a priori. Isto, porque uma Terra recente nunca poderia ser razoavelmente compatibilizada com a evolução aleatória. Esta necessita de tempo – provavelmente, até, de muito mais tempo do que o que se encontra disponível no Universo. Na verdade, de acordo com as premissas naturalistas e com a teoria da evolução aleatória a que as mesmas necessariamente conduzem, a Terra tem necessariamente que ser suficientemente antiga para que a vida tenha surgido por acaso a partir de químicos inorgânicos e que milhões de espécies possam ter evoluído de um ancestral comum, dando origem a múltiplas novas espécies plenamente funcionais.
Uma idade de 6 000 ou 10 000 anos, por exemplo, seria necessariamente impossível de compatibilizar com a teoria da evolução. Isto, note-se, mesmo antes de se fazer qualquer medição dos níveis de C-14, dos níveis de decaimento de isótopos radioactivos, das taxas de erosão dos continentes ou de deposição de sódio e sedimentos nos oceanos ou da velocidade da recessão da Lua. Na verdade, antes mesmo de o cientista ligar a ignição do seu automóvel para se deslocar ao seu laboratório ou ao seu campo rochas sedimentares e fósseis, ele só pode esperar encontrar evidências de evolução aleatória e de uma Terra extremamente antiga, porque só isso é compatível com a ciência naturalista. Também aqui as conclusões precedem qualquer investigação científica, sendo que esta só pode confirmar essas conclusões, sob pena de deixar de ser científica à luz da definição naturalista do termo.
Com efeito, se um cientista viesse a concluir que as observações apontam para uma Terra recente, ele iria inevitavelmente pôr em causa a possibilidade de evolução aleatória, o que, por sua vez, iria comprometer as premissas naturalistas que estruturam o método científico e, por conseguinte, iria colocar-se do lado de fora do domínio da ciência. Daí que ele tenha forçosamente que concluir que qualquer observação empírica que aponte para um design inteligente ou possa pôr em causa a extrema antiguidade da Terra só pode estar errada.
Um exemplo disso mesmo pode encontrar-se na descoberta, em 2003, pela paleontologista norte-americana Mary Schweitzer, de tecidos moles, incluindo vasos sanguínios, e proteínas com sequências completas de aminoácidos, dentro dos ossos de um Tyrannosaurus rex, um dinossauro supostamente com cerca de 68 milhões de anos. Até então, todos os cientistas estavam convencidos de que as proteínas nunca conseguiriam sobreviver mais do que um milhão de anos. Assim sendo, a descoberta de tecidos moles e sequências completas de aminoácidos em ossos de um dinossauro deveria ser considerada uma prova mais do que suficiente de que os mesmos são muito mais recentes do que normalmente se pensa, corroborando desse modo a posição criacionista.
Todavia, isso não aconteceu. Uma interpretação naturalista das evidências, consistente com a teoria da evolução e o seu corolário da antiguidade da Terra, obrigou de imediato a uma revisão em alta o tempo de duração das proteínas, que, subitamente e como que por magia, passou de 1 milhão de anos para 68 milhões (!), tendo sido inclusivamente acompanhada de uma nova tentativa de associação evolutiva dos dinossauros com as galinhas.
Tal revisão só veio demonstrar fragilidade das conjecturas evolucionistas em torno dos milhões de anos e a elasticidade que a teoria da evolução pode convenientemente adquirir, quando se trata de proteger a teoria da evolução aleatória e o seu corolário da terra antiga, a única aceitável pelas premissas naturalistas. Como se viu, de acordo com uma definição naturalista de ciência toda a investigação científica só pode ser utilizada para validar, e nunca para refutar) o naturalismo, ainda que isso obrigue às mais arrojadas acrobacias argumentativas.

DA ANTIGUIDADE DA TERRA À ANTIGUIDADE DO COSMOS

Como se vê, quem partir de premissas naturalistas tem forçosamente que concluir pela evolução cósmica e biológica aleatória e pela antiguidade da Terra. Isto significa que todas as evidências têm necessariamente que ser seleccionadas, interpretadas e organizadas de uma forma que corrobore a evolução aleatória e a extrema antiguidade da Terra. Uma das estratégias interpretativas consiste no recurso a premissas uniformitaristas, em domínios como a erosão, a deposição de sedimentos, a deslocação de placas tectónicas, o decaimento de isótopos, a velocidade da luz, etc., quando isso possa ser utilizado para corroborar a antiguidade da Terra. Se não for esse o caso, abandonam-se convenientemente as premissas uniformitaristas, como sucede em domínios como a recessão da Lua, o decaimento do campo magnético da Terra, a difusão de hélio para a atmosfera, a deposição de sedimentos nos oceanos ou a estatística populacional. É que, nestes casos, as premissas uniformitaristas conduziriam a uma idade recente da Terra, resultado inaceitável à partida, porque incompatível com a evolução das espécies e a ideologia naturalista que lhe subjaz. Como veremos adiante, estas e todas as demais evidências só podem ser interpretadas de acordo com métodos que garantam plausibilidade à evolução naturalista.
Se a Terra é extremamente antiga, então o sistema solar tem que ser ainda mais antigo, o mesmo acontecendo, sucessivamente, com a Via Láctea e as demais galáxias. Também isto decorre logicamente das premissas naturalistas, à margem de qualquer investigação científica. Com efeito, se Terra é extremamente antiga, então o sistema solar, a Via Láctea e todo o Universo têm necessariamente que ser muito mais antigos, com pelo menos vários biliões de anos. Assim tem que ser necessariamente, de acordo com as premissas naturalistas, com a evolução cósmica e biológica aleatória e com a necessária antiguidade da Terra. É que só uma intervenção sobrenatural poderia determinar um estado de coisas diferente e essa intervenção sobrenatural está excluída à partida.
Tanto basta para afirmar que a evolução aleatória das espécies e a extrema antiguidade da Terra e do Universo não são o resultado de uma análise científica objectiva dos factos, imposta necessariamente pelas observações empíricas, antes são a consequência necessária e inelutável da adopção a priori de premissas naturalistas, uniformitaristas e evolucionistas para definir os objectivos, os métodos e mesmo os resultados admissíveis da ciência.
Assim, a evolução aleatória e a extrema antiguidade da Terra e do Universo, mais do que o produto da investigação científica, são corolários lógicos, mecânicos, automáticos e inescapáveis da ideologia naturalista. Não existe qualquer alternativa científica àquilo que foi previamente estabelecido pelas premissas naturalistas. Só os mais ingénuos, do ponto de vista epistemológico, é que ficam surpreendidos pelo facto de “ciência” confirmar sistematicamente essas premissas, em todas as disciplinas. Só o pode fazer, não é? Se não o fizer deixa de ser ciência, na medida em que introduz elementos não aleatórios ao processo, os quais remetem logicamente para uma inteligência sobrenatural. Toda a ciência, em todas as suas disciplinas, traz o naturalismo pré-incorporado. Toda ela está programada, de origem, para validar a evolução e a antiguidade da Terra e do Universo.
Os criacionismos não negam a “antiguidade” do cosmos. Apenas chamam a atenção para o facto, reconhecido pelos astrofísicos, de que o tempo não é constante. O tempo encontra-se intimamente relacionado com o espaço e a matéria, sendo possíveis situações em que o mesmo sofre uma dilação gravitacional, facto que permite explicar muitas das evidências da suposta antiguidade do Universo.

A CIÊNCIA COMO VALIDAÇÃO DO NATURALISMO

Como se vê, as regras do jogo naturalista determinam não apenas o modo como o “jogo” científico é jogado, mas o próprio resultado do jogo. Os resultados da investigação científica já estão pré-determinados antes mesmo de essa investigação ter começado. Isto significa que não é necessária qualquer investigação científica para concluir pela teoria da evolução aleatória e pela antiguidade da Terra. Basta adoptar premissas naturalistas. As mesmas encarregam-se de conduzir inelutavelmente o cientista à conclusão de que a evolução aleatória e a antiguidade da Terra são correctas. O sistema de validação científica pelos pares tem por base controlar o naturalismo das premissas, dos métodos e dos resultados. O “verdadeiro cientista”, por definição um naturalista, não tem qualquer alternativa senão confirmar as premissas naturalistas e os “factos” que elas estabelecem.
Assim é, porque toda a evidência terá forçosamente que ser interpretada de acordo com essas premissas, sob pena de sair fora da ciência naturalisticamente definida. Isso, mesmo quando se trate de evidência possa, a primeira vista, atentar contra essas premissas. É o caso, por exemplo, da inexistência de uma fonte primordial de energia, da extrema complexidade do DNA, da manifesta impossibilidade física de o DNA surgir por acaso, da existência de C-14 em rochas e fósseis datados de milhões de anos, da evidência de catastrofismo nas formações rochosas, da retenção de hélio nos cristais de rochas graníticas, das grandes disparidades na datação do decaimento radioactivo, do decaimento do campo magnético da Terra, da recessão da Lua, das taxas de deposição de sedimentos nos oceanos, da estatística populacional, da idade recentíssima das civilizações mais antigas ou da recente observação de hemoglobina e tecidos moles em ossos não fossilizados de dinossauro.
Também todas essas evidências têm que ser interpretadas de acordo com o único modelo admissível – o da evolução naturalista ao longo de milhões de anos – porque só essa solução é considerada cientificamente correcta. Assim é, mesmo que isso obrigue a aceitar milagres matemático-probabilísticos, envolvendo probabilidades infinitesimais, como sejam os respeitantes ao surgimento casual de uma célula (probabilidade estimada de 1 em 1 x 10 ^ 57800) – com os seus biliões de componentes – ou mesmo de uma simples proteína funcional (probabilidade estimada em 1 em 1x 10 ^ 191). Em qualquer outro domínio, estas probabilidades seriam muito mais do que suficientes para que se considerasse um evento impossível. Mas não na ciência naturalista. Aqui as mesmas demonstram a ocorrência dos eventos a que se referem.
Eis a razão pela qual é impossível refutar cientificamente a evolução. Mesmo num debate entre 10 criacionistas e 1 evolucionista este acabaria sempre por vencer o debate, se e enquanto a ciência fosse definida em termos exclusivamente naturalistas. Mas, como bem se depreende, não o vencia por ter exposto os melhores argumentos ou mostrado as evidências mais sólidas, mas apenas por causa do automatismo tautológico da regra “garbage in, garbage out” (naturalismo “in”, evolucionismo “out” / evolucionismo “in”, extrema antiguidade da Terra “out”). Se a ciência é definida em termos naturalistas, então só a evolução aleatória e a extrema antiguidade da Terra e do Universo são compatíveis com ela.
Assim sendo, os fósseis e as rochas têm que ser obrigatoriamente interpretados de acordo com a teoria da evolução aleatória. Se, por acaso, o registo fóssil não demonstrar evolução gradual, então isso só pode significar que a evolução ocorreu por saltos. A esta luz, a proliferação de fósseis vivos, fósseis polistráticos ou fósseis em posição anómala é vista como uma mera curiosidade sem grande relevo, insusceptível de abalar a crença evolucionista. Do mesmo modo, as semelhanças e as diferenças entre animais só podem ser interpretadas de acordo com a evolução. Se existem semelhanças genéticas entre duas espécies animais, fala-se em homologia e “prova-se” dessa forma evolução. Se existem diferenças genéticas estruturais entre dois órgãos funcionalmente idênticos de espécies distantes entre si, fala-se em “evolução convergente” e “prova-se” também assim a evolução.
De uma forma e de outra “prova-se” sempre a evolução. Porquê? Porque a sua veracidade e indiscutibilidade é estabelecida a priori pelas premissas naturalistas Em todos os casos, como se vê, os dados observados nunca podem ser interpretados como pondo em causa a evolução, na medida em que isso iria contra as premissas naturalistas que definem o método científico a priori e colocaria o observador fora do domínio da ciência.
Mesmo as mutações pontuais, que são consabidamente cumulativas e degenerativas, têm que ser forçosamente interpretadas de acordo com a evolução aleatória. Assim é, não tanto porque esteja cabalmente demonstrado que as mesmas acrescentam informação complexa e especificada ao genoma ou que sejam maioritariamente benéficas para os indivíduos e para as populações, mas apenas porque as mesmas são aleatórias, tendo pelo menos isso em comum com a aleatoriedade que caracteriza o processo evolutivo.
O facto de as mutações serem maioritariamente deletérias e não acrescentarem informação nova ao genoma (para além da recombinação, troca ou inserção de informação genética pré-existente) é mascarado, pelo naturalismo, através do invariável apelo a um processo de milhões de anos de mutações que ninguém pôde observar. Pode facilmente, e sem muita imaginação, inventar-se uma qualquer “história da carochinha” ou do “sapo que se transforma em príncipe” para tentar “demonstrar” que, ao longo de milhões de anos, uma sucessão de mutações maioritariamente deletérias acabou por construir, contra todas as probabilidades, um organismo inovador, pleno de complexidade especificada e integrada e capacidade de adaptação ao meio. Felizmente para os naturalistas, ninguém pode refutar isso. Em primeiro lugar, porque ninguém estava lá para ver se isso aconteceu ou não. Em segundo lugar, porque se o tentasse fazer estaria a por em causa em causa o dogma naturalista da evolução aleatória, colocando-se, ipso facto, fora do “cientificamente correcto”.
Também a especiação, alopátrica ou simpátrica, e a selecção natural têm forçosamente que ser interpretadas e integradas de acordo com o modelo evolutivo. Isto, apesar de em caso algum criarem informação genética nova, que codifique novas estruturas e funções, limitando-se a operar sobre informação genética pré-existente, a qual vai ficando cada vez mais especializada. Mas qual era realmente a alternativa? Se o único modelo compatível com as premissas naturalistas adoptadas à partida é a evolução cósmica e biológica aleatória (porque exclui a criação sobrenatural) e se a extrema antiguidade da Terra é necessária para conferir alguma credibilidade a esse processo, segue-se que todos os fenómenos naturais têm que ser interpretados em conformidade com esse modelo pré-estabelecido, na medida em que é o único cientificamente admissível.
Assim tem que ser, mesmo que permaneçam sérias dúvidas sobre se as mutações aleatórias e a selecção natural realmente criam informação nova no genoma, capaz de codificar estruturas e funções completamente inovadoras e mais complexas. Mais uma vez, o apelo a hipotéticos milhões de anos não observados por ninguém serve para tranquilizar essas dúvidas. O tempo surge assim como uma espécie de tapete para debaixo do qual são remetidas todas as dúvidas.
O tempo e o acaso são dotados, pelo pensamento naturalista, de propriedades milagrosas, com base nas quais tudo passa a ser possível, mesmo que seja manifestamente contrário às leis da física e da biologia. Mesmo eventos que tenham como único fundamento probabilidades infinitesimais, como o surgimento acidental de uma proteína funcional ou de uma célula, passam a ser não apenas possíveis, prováveis, altamente prováveis ou certos, mas até necessários e mesmo inevitáveis. Naturalismo oblige!

A UNILATERALIDADE IDEOLÓGICA DO NATURALISMO

Como se vê, todo o edifício aparentemente sólido da ciência evolucionista mais não é do que um resultado circular e tautológico da adesão a uma mundividência naturalista que, a priori, de forma unilateral e ideológica, determina os objectos, os métodos e até os resultados “cientificamente correctos”, antes mesmo de o trabalho científico iniciar. Na verdade, este quase que poderia ser considerado supérfluo, na medida em que só pode servir para validar as premissas naturalistas aceites à partida e nunca para as pôr em causa.
A teoria da evolução é essencialmente ideologia e, à partida, uma ideologia anti-teísta. A mesma é um elemento essencial de uma particular visão do Universo, em que Deus é colocado de fora por uma determinação humana. A evolução não apenas é indissociável de premissas naturalistas, como é estabelecida por elas à margem de qualquer investigação científica, juntamente com os seus corolários da antiguidade da Terra e do Universo.
Aquilo que muitos pensam ser o resultado da investigação científica é, no fundo, um conjunto articulado e consistente de axiomas, princípios e corolários naturalistas, auto-subsistentes, que são utilizados como grelha de observação, análise e interpretação do mundo material. É tudo uma questão de “óculos” mundividenciais. Os factos não falam por si, eles são interpretados de acordo com pressuposições a que previamente se aderiu de forma fideísta. As rochas, os fósseis, os isótopos, as mutações, a selecção natural são incapazes de dizer o que quer que seja, carecendo de interpretação. Esta realidade tem importantes implicações epistemológicas e metodológicas, entre as quais destacamos.

Em primeiro lugar, todo o conhecimento científico é fortemente condicionado por pressupostos mundividenciais, mais ou menos conscientemente interiorizados, particularmente quando trata das origens não observadas do Universo, da Vida e do Homem. A teoria da evolução é essencialmente mundividência e não ciência. Ensinar a evolução é, acima de tudo, ensinar uma mundividência.

Em segundo lugar, a menos que se abandonem as premissas naturalistas, não é possível refutar a teoria da evolução cósmica e biológica aleatória e o seu corolário obrigatório da antiguidade da Terra e do Universo.

Em terceiro lugar, se alguém quiser discernir a obra de Deus na natureza tem forçosamente que aceitar, a priori, a possibilidade da existência de Deus e da sua obra na natureza, rejeitando as constrições epistemológicas e metodológicas do naturalismo.

Em quarto lugar, qualquer crente em Deus que queira realmente conhecer respostas mais concretas sobre a origem, a natureza, o sentido e o destino do Universo, da Vida e do Homem, não tem outra alternativa se não aceitar, pela fé, a autoridade última da Sua Palavra e deixar-se conduzir por ela na análise e interpretação dos dados empíricos.

É por isso que a Bíblia afirma que o reconhecimento de Deus é o princípio de toda a ciência. Na Bíblia a existência de Deus nunca é demonstrada. A mesma é considerada um dado axiomático. No Génesis diz-se, de forma categórica: “no princípio, Deus criou os céus e a Terra”. Não existe qualquer maneira de demonstrar a verdade ou a falsidade desta afirmação através da observação e da experimentação científica. Todavia, o Universo pode ser interpretado a partir dessa afirmação ou contra ela. Não existe outra alternativa, ou uma maneira neutral e objectiva de conhecer o mundo. Para a Bíblia, a verdadeira ciência só pode começar e acabar no LOGOS divino, Jesus Cristo, o Alfa e o Ómega. Jesus disse: “Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele e ele comigo”. Creio firmemente que estas palavras se aplicam também à nossa visão do Universo.

Jónatas E. M. Machado

Rui M disse...

Não Jónatas, os argumentos criacionistas e em especial desse biblicalgeology é que são surrealisticamente absurdos.
E já espalhou esse texto por meia blogosfera, era desnecessário mais spam.

Jónatas Machado disse...

Como me acusou se fugir ao debate, achei que podia ficar algum tempo no seu blog a debater consigo. Para isso, é bom que os seus leitores conhecem o essencial das minhas ideias. Daí o eu ter colocado o meu artigo no seu blog. Ou tem medo que eu espalhe as minhas ideias?

Também seria interessante que os seus leitores ficassem a conhecer as suas principais críticas ao criacionismo (e não simples generalidades sem sentido) e as minhas respostas às mesmas. Assim eles poderiam conhecer os dois lados da questão e tirar as suas conclusões.

Que lhe parece? Tem a palavra.

Rui M disse...

Umas das vantagens deste tipo de discussões é que se argumentar correctamente pode sempre dar uma ideia de que está certo, principalmente se ninguém se der ao trabalho de verificar se as premissas estão certas ou não.
No caso das discussões com criacionistas para além das premissas erradas há muitas vezes um descontextualizar desonesto dos factos de forma a representar a informação de forma errada a fim de servir as suas intenções (a interpretação literal do principio do uniformitarismo é um desses casos, felizmente não há nenhum geólogo que o use como os criacionistas o difundem). Há também uma constante e deliberada tentativa de explorar e amplificar as incertezas numa teoria para minimizar o conhecimento que ela já produziu (os fosseis vivos, por exemplo), isto para além da tentativa de tornar a natural evolução do conhecimento cientifico numa falta de coerência que seria indicadora de desonestidade intelectual.
Os argumentos do criacionismo bíblico no que diz respeito à geologia são, como já referi anteriormente, estapafúrdios, como aliás é toda a tentativa de explicar a história da Terra com apenas 6000 anos de história.
Só o simples facto de não existir água suficiente para cobrir a superfície do planeta até aos 5000 e tal metros de água (a altura do monte Ararat, onde supostamente a arca encalhou) devia ser suficiente para deixar de fora a interpretação literal de um dilúvio, mas com isso aparentemente não chega, pode-se por exemplo fazer alusão à ausência de uma camada presente globalmente que materializasse a deposição durante esse evento, a extinção de espécies marinhas que lhe são atribuídas (afogaram-se?) e o facto dos fosseis extintos não se encontrarem todos na mesma camada continua em todo o globo mas sim dispostos em sequencias verticais de estratos curiosamente coincidentes com a evolução ao longo do tempo a partir de ancestrais comuns.
Eu podia continuar para sempre, mas falta-me o tempo e a paciência para além de textos para fazer copy&paste.

Ah, e o Jónatas enganou-se e pôs aqui o URL para o biblicalgeology errado. Esse que refere é um inofensivo compendio de rochas e minerais mencionados na biblia, o estapafurdio é o www.biblicalgeology.net

adauto disse...

T-Rex vivo apenas 10 mil anos atrás? Isso significaria que ele caçava bisões nas planícies norte americanas. Indigesto.

Anónimo disse...

Eu acho essa história do Criacionismo uma ingenuidade de tdoo o tamanho(para não dizer outra coisa). E baseia-se na Biblia, no que a Bìblia diz sobre a forma como Deus criou a terra. Bom mas além da Bíblia, e antes delas, outros livros e tradições fundaram cosmogonias - o Gilgamesh na Suméria, que Biblia copia em muitos aspectos, os Veda, O Buba - quer dizer, apenas crenças no desconhecido, no sobrenatural - até que a Ciência começou a desvendar os mistérios e a dar-lhes resposta, e a Filosofia a discutir outras formas de pensar que não apenas as de base reliosa ou de crença ( ou crendice...=. Acgu que não vale a pena perer muito tempo a discutir criacionismo no mundo do sec XXI, é alimentá-lo com debates que eles necessitam para siarem da sua casca. sem isso, acabarão por empalidecer e desaparecer.

Maria Silva disse...

Como um tipo que tem cursos de direito não pensa nas asneiras que pode dizer qd se põe a escrever equações de bioquímica e regras de estratigrafia. Pior do que ele só o Ratz ou eu a dar consultas de psicologia sendo Astrofísica. O pecado, o inferno, deus e uma costoleta de Adão...francamente. Apenas gostava de saber onde estudou o Jonatas até aos 15 anos de idade... Eu pelo que vejo qd vou no Intercidades aho que o válido é o criacionismo pois se o Governo não criar bom equipamento ferroviário a CP não evolui para um desempenho de qualidade. Francamente...