quarta-feira, dezembro 20, 2006

Uma Terra que gira... há um ano

Que a Terra gira sobre si mesmo e à volta do Sol, já todos nós sabemos. Mas nem sempre foi assim. Muitos foram aqueles que se questionaram, que em determinados momentos duvidaram e com paixão investigaram. Muitas descobertas foram feitas desde que a ciência se tornou uma estrutura sólida. Pelo caminho, muitos se calaram ou foram calados, muitos morreram no processo… numa batalha sem igual … Pela primeira vez, que se saiba, a matéria ganhou consciência de si própria… consciência que lhe deu a capacidade de duvidar, de questionar e assim aprender… ”e no entanto ela move-se”, desabafou Galileu no final de uma batalha perdida. Mas agora, mais do que nunca, novos desafios se levantam. Cientistas continuam a fazer novas descobertas todos os dias. Cientistas que têm a coragem de se questionar e de explorar o mundo em que todos vivemos, de ir mais além atravessando as fronteiras do mundo conhecido e partindo à procura de novas terras por esse universo fora.
O interesse por estas questões alargou-se, e através daqueles que albergam um espírito crítico e científico, as notícias das novas descobertas chegam a um público cada vez maior, curioso, que as segue com entusiasmo.
Os tempos são outros! Começa a desflorar uma nova consciência ambiental sem precedentes. Hoje as pessoas têm a noção de que os recursos da Terra não são inesgotáveis e de que há um risco real de sermos nós a destruir o sistema que nos permitiu chegar até aqui. É preciso fazer passar a mensagem, de uma forma clara.


Uma Terra Que Gira nasceu com esse objectivo, o de divulgar, o de dar a conhecer a Terra, aquilo que nos rodeia e as pessoas que vão fazendo a diferença, para que não assistamos com a indiferença habitual à vitória da ignorância sobre o conhecimento.
Aqui faz-se divulgação científica e dá-se a conhecer quem o faça. Pelo menos tenta-se.


Para preservar, é preciso primeiro explorar, investigar e aprender, mas cabe também a nós, cientistas de alma ou profissão fazer chegar esse conhecimento a toda a sociedade, para que todos possamos viver de uma forma sustentável e responsável nesta Terra que gira.


Terra que gira
, Dezembro 2006

5 comentários:

Anónimo disse...

Como cientista de profissão (mas muito mais de alma) espero poder vir a contribuir para fazer chegar a alguns, algum conhecimento menos acessível! De modo a contribuir para que a Terra continue a girar!

Parabéns pelo site, pelos objectivos e conta comigo no caso de precisarem de alguma colaboração!

Beijinhos,
V.

J. Moedas Duarte disse...

Tenho seguido com alguma frequência o vosso trabalho de divulgação. Continuem!
Por mim, vou tentar divulgar mais.

Um abraço de Boas Festas!

MentalGlow disse...

Fico contente por existir sitios como este. um abraço pó moedas. Diogueira

João Marcelo disse...

Devo ser um daqueles intrusos que, estando do outro lado da Alameda, não percebe nada do assunto. Contudo, gostava de salientar dois pontos curiosos:
1 - Na física, como em tudo o resto, parece que as grandes questões polémicas, discutidas com paixão e fervor, e às vezes até com a vida, já desaparecerem. Estaremos, hoje, confinados a um debate aparentemente fechado e inacessível, em que todas as opiniões são sustentáveis sem que existam já cientistas prontos a perderem a sua vida por uma ideia "louca"? No fundo, os debates vão continuar a fazer-se com moderação e, numa democracia politicamente correcta, vamos evitar os épicos confrontos apaixonados entre cientistas? O que é que a ciência discute hoje de apaixonante?
2 - Vou puxar o tema para a minha área... sugiro que leiam as últimas reflexões de Al Gore (o que esteve para ser presidente dos EUA) que defende que aquilo que pode unir as nações de todo o mundo (alcançando, assim, a paz entre o ocidente e o oriente) é a mobilização mundial pela defesa do ambiente, nomeadamente, o combate às alterações climáticas. Acho pouco provável... mas é uma ideia interessante!

Bom trabalho.

Andarei vigilante.

joaosete disse...

Olá João, benvindo a este espaço.

Aqui já falámos de Al Gore, do livro, do filme e da sua política ambiental. É inspirador e, será mais uma das pistas que seguiremos para apredermos qual a melhor maneira de passar a mensagem.

Acredito que ainda existam, hoje, Homens que morrem, não só pelas Verdades Inconvenientes que nos revelam, ou querem revelar, mas também pelas consequências de não termos, todos, escutado essas Verdades.

Na Terra que gira procuramos dar a conhecer a nossa "casa", as ciências que falam dela, os Homens que a defendem e do que a rodeia. Na Terra que gira não há alamedas a separar, porque o "conhecimento" pode não ser o mesmo, mas o "objecto" da paixão é. É azul e gira!

Para preservar, é preciso primeiro conhecer... A Terra que gira quer ser um dos muitos espaços para isso. Queremos combater sobretudo a ignorância e dizer a todo o Mundo, a maravilha que é descobrir, interrogar, duvidar, partilhar, aprender... Viver!

Um abraço e boas festas