domingo, maio 14, 2006

E agora?

Ao princípio junta-se o útil ao agradável. A necessidade de oferta com a ciência da procura.
As casas cobrem-se de rochas ornamentais, as estradas ganham quilómetros e alguns bolsos enchem-se de dinheiro. Abrem-se buracos, rasgam-se serras, sempre com a intenção de explorar os recursos e equilibrar a economia. O pior é quando os buracos se somam, as serras desaparecem e a economia não ajuda.

Estremoz, 2006

Estremoz, 2006


E agora?


Lanço um desafio...

Que fazer às pedreiras abandonadas ou em fim de exploração?
Que reabilitação poderão ter?

6 comentários:

Rui Silva disse...

A solução é deixá-las assim, ao abandono. Pelos menos a solução mais agradável ao OGE.
Aproveita-las para geoturismo era a minha solução ideal, mas duvido que seja um mercado viável.

João Guerreiro disse...

era deixarem-me ir tirar umas fotos que essas de estremos estao altamente!
Quando pensar numa solucao melhor logo venho comentar de novo!
um abraco das Checas todas

Anónimo disse...

Hey what a great site keep up the work its excellent.
»

Anónimo disse...

Your are Nice. And so is your site! Maybe you need some more pictures. Will return in the near future.
»

raquel disse...

Antes de mais deixa me dizer que me roubaste a deixa!!!!
A pedreira de estremoz é realmente algo de espectacular pelo menos é essa a primeira impressão.mas dps começamos a perceber que por detrás de algo tão imponente e grandioso está o lado negro,a destruição da herança natural e a falta de meios para recuperar o mal feito.Já que não podemos parar o desenvolvimento económico do país continuo a achar, um pouco por teimosia, que é a má vontade do homem que faz com que cntenas de buracos continuem abertos em pleno alentejo.Um bocadinho de imaginação e esses lugres podiam ser recuperados, render alguns € empregar algumas pessoas e oferecer á população nacional e internacional lugares de lazer, prazer e aventura.E ete é apenas um exemplo muito simples de alguém que ainda preserva uma grande ingenuidade nestas questões mas que nem por isso deixa de creitar nelas.

Raquel Sousa

PS:bjinhos pa ti joão

Anónimo disse...

Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu