sábado, agosto 12, 2006

Os fractais

"A Geometria dos Fractais não é apenas um capítulo da Matemática, mas também
uma forma de ajudar os Homens a verem o mesmo velho Mundo diferentemente"
(Benoît Mandelbrot)



Nos últimos anos, diferentes definições de fractais têm surgido. No entanto, a noção que serviu de fio condutor a todas as definições foi introduzida por Benoît Mandelbrot através do neologismo "Fractal", que surgiu do latino fractus, que significa irregular ou quebrado, como ele próprio disse: "Eu cunhei a palavra fractal do adjectivo em latim fractus. O verbo em latim correspondente frangere significa quebrar: criar fragmentos irregulares, é contudo sabido – e como isto é apropriado para os nossos propósitos! – que, além de significar quebrado ou partido, fractus também significa irregular. Os dois significados estão preservados em fragmento".

Os fractais são formas geométricas abstractas de uma beleza incrível, com padrões complexos que se repetem infinitamente, mesmo limitados a uma área finita. Mandelbrot, constatou ainda que todas estas formas e padrões, possuíam algumas características comuns e que havia uma curiosa e interessante relação entre estes objectos e aqueles encontrados na natureza.


Um fractal é gerado a partir de uma fórmula matemática, muitas vezes simples, mas que aplicada de forma iterativa, produz resultados fascinantes e impressionantes.

Uma 1ª definição, pelo próprio Mandelbrot, diz que: "Um conjunto é dito fractal se a dimensão Hausdorff deste conjunto for maior do que a sua dimensão topológica". Contudo, no decorrer do tempo ficou bastante claro que esta definição era muito restrita, embora apresentasse algumas motivações pertinentes.

Existem duas categorias de fractais: os geométricos, que repetem continuamente um modelo padrão e os aleatórios, que são feitos através dos computadores.

Além de se apresentarem como formas geométricas, os fractais representam funções reais ou complexas e apresentam determinadas características: auto-semelhança, a dimensionalidade e a complexidade infinita.

Uma figura é auto-semelhante se uma parte dela é semelhante a toda a figura. Podemos observar esta característica na curva de Koch.


" As imagens que calculei com a minha teoria matemática assemelhavam-se curiosamente à realidade: e se eu podia imitar a Natureza, era porque provavelmente teria descoberto um dos seus segredos..." (Benoît Mandelbrot)

"É possível acreditar que no dia de amanhã, ninguém poderá ser considerado cientificamente culto se não estiver familiarizado com os fractais." (John Archibald)

A informação desta "postagem" foi retirada de uma página da net elaborada por três estudantes de ensino de matemática da FCUL (Inês Quaresma, Jorge Oliveira e Paula Faria ). Parabens a eles, a página está muito boa e é uma excelente iniciativa. Se tiveram oportunidade visitem-na (http://www.educ.fc.ul.pt/icm/icm99/icm14/). Espero que o autores não se importem de ter retirado algumas coisas de lá. O meu objectivo, e penso que também o deles, é divulgar a ciência.

2 comentários:

Anónimo disse...

ACHO QUE ATRAVES DOS FRACTAIS E POSSIVEL DESPERTAR O INTERESSE PELAS COISAS TECNOLOGICAS E PRINCIPALMENTE DA MATEMATICA.

ROBSON FERRAZ. FORMANDO M MATEMATICA PELA UFRRJ.

Mariana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.