quarta-feira, julho 19, 2006

Tectónica de Placas

Tectónica de placas (do grego τεκτονικός relativo à construção) é uma teoria da geologia, desenvolvida para explicar o fenómeno da deriva continental, sendo a teoria actualmente com maior aceitação entre os cientistas que trabalham nesta área. Na teoria da tectónica de placas a parte mais exterior da Terra está composta de duas camadas: a litosfera que inclui a crusta e a zona solidificada na parte mais externa do manto. Sob a litosfera encontra-se a astenosfera que inclui a parte mais interior e viscosa do manto. Numa escala temporal de milhões de anos, o manto parece comportar-se como um líquido super-aquecido e extremamente viscoso, mas em resposta a forças repentinas, como os terramotos, comporta-se como um sólido rígido.

As placas tectónicas da Terra foram cartografadas na segunda metade do século XX
Basicamente, a litosfera flutua sobre a astenosfera, e encontra-se partida em pedaços que se designam por placas tectónicas. Abaixo listam-se as principais placas tectónicas:
Placa Africana
Placa da Antártida
Placa Euroasiática
Placa Norte-americana
Placa Sul-americana
Placa do Pacífico
Placa Australiana
Existem ainda várias e mais numerosas placas menores.

A teoria da tectónica de placas surgiu a partir da observação de dois fenómenos geológicos distintos: a deriva continental, identificada no início do século XX e a expansão dos fundos oceânicos, detectada pela primeira vez na década de 1960. A teoria propriamente dita foi desenvolvida no final dos anos 60 e desde então tem sido universalmente aceite pelos cientistas, tendo revolucionado as Ciências da Terra (comparável no seu alcance com o desenvolvimento da tabela periódica na Química, a descoberta do código genético na Biologia ou à mecânica quântica na Física).

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

3 comentários:

willy jhon santos alves disse...

.AS rochas metamóficas , so ocorrem entre sedimentares e igneas ou há outras vertentes ? explique porque há falhas geólogicas e o que as ocasonam !

willy jhon santos alves disse...

. na crosta balsática ... na divergência entre placas , forma-se uma espinha dorsal , proviniente do magma que entra em erupição , formando as rochas igneas ou minerais intrusivos , é interessante observarmos que a idade da rocha a medida que nos afastamos do centro das placas divergentes

Anónimo disse...

muito bom me ajudou bastante